Home / Pr. Manoel Antônio / VOCÊ JÁ SE PESOU NA BALANÇA?

VOCÊ JÁ SE PESOU NA BALANÇA?

“Pesado foste na balança,
e foste achado em falta”
Daniel 5:27

Em uma das reflexões enviadas no início deste ano eu afirmei que há dois objetos que podem trazer um certo desconforto emocional à algumas pessoas, os quais são o espelho e a balança. A razão disto é que ambos podem mexer com nossa autoestima. Na ocasião eu me limitei a discorrer acerca do espelho. Nesta ocasião quero meditar acerca da balança e das implicações deste instrumento, sob a perspectiva espiritual.

No texto vemos Belsazar, o então regente da Babilônia, promovendo um banquete para mil convidados. Segundo alguns comentaristas, era uma forma de passar uma imagem positiva acerca do reino que estava em decadência, uma vez que a nação estava sofrendo as ameaças de invasão do exército persa. Durante a festa o rei é aterrorizado com uma inscrição feita por um dedo na parede, cuja interpretação dizia, dentre outras coisas, que na avaliação de Deus o regente fora desqualificado e, portanto, seu reino seria extinguido. Por que razão Belsazar, governante de um dos maiores e mais prósperos impérios da antiguidade fora achado em débito para com o Senhor? Por que, na balança de Deus este sucessor de Nabonido fora encontrado em falta? O texto nos aponta algumas razões para isso. Para os propósitos desta meditação gostaria de destacar apenas dois destes motivos, embora o texto nos apresente inúmeros outros.

Em primeiro lugar BELSAZAR PERDEU O SENTIDO DO SAGRADO
Isto pode ser visto na utilização dos utensílios sagrados que usou naquela festa profana (2-3). Os utensílios utilizados em tal banquete foram feitos pelos israelitas (Êx. 35-39) e, segundo a determinação divina, o emprego de tais utensílios se restringiria apenas ao templo do Senhor. Porém, Belsazar desrespeitou a ordem divina, empregando os utensílios em sua festa idólatra.

Em segundo lugar NÃO CONSIDEROU A AÇÃO DE DEUS NA SUA FAMÍLIA (vs. 8-23). Na história da Babilônia encontrava-se o registro da maneira como Nabucodonosor veio a conhecer ao Deus verdadeiro. Embora tivesse sido agraciado com as conquistas dos reinos da época, em um dado momento este predecessor de Belsazar deixou seu coração ser invadido pela soberba, se auto intitulando um deus dos caldeus. Esta arrogância, no entanto, foi abatida pelo Senhor, ao fazer com que o rei perdesse a sanidade mental por certo período, vindo a assumir um comportamento animal (Dn. 4:31-33). Desta maneira, Nabucodonosor veio a entender que há um verdadeiro Deus, o Qual rege o universo e faz com que a história cumpra os propósitos estabelecidos por sua vontade soberana. Ao ser restabelecido, Nabucodonosor promulgou um decreto ordenando que em todo o reino da Babilônia fosse adorado o único e verdadeiro Deus (4:34-37). Porém, Belsazar ignorou a ação de Deus na sua família. Permitiu que o orgulho e a vaidade dirigisse suas ações. Desconsiderou a Deus, sua santidade e sua Palavra.

A expressão “pesado foste na balança e foste achado em falta” significava que na balança de Deus Belsazar pesava menos que nada. Ele não reunia em sua pessoa nenhuma virtude ou valores que pudessem produzir um peso positivo pelo qual pudesse ser avaliado pelo Senhor.

Talvez nos dias de hoje a balança signifique para você apenas um instrumento para aferir seu peso. Isto pode ser positivo no sentido de fazer com que você se submeta a alguns cuidados relacionados à sua saúde e ao seu modo de viver. Nesta reflexão, no entanto, a balança tem um outro sentido. Significa que você precisa de conteúdo na sua vida. Precisa de coisas que pesem a seu favor. Você precisa de um coração novo, cheio do fruto do Espírito Santo, de uma vida nova, que transborda a paz de Cristo. Você necessita dos valores espirituais que exaltem a dignidade da imagem e semelhança que o Senhor imprimiu em você.

Que seu dia seja abençoado pelo Senhor! Que você seja uma bênção!

Pr. Manoel Antonio
Pastor da Segunda Igreja Congregacional de Campina Grande-PB
Wattsapp 83 98700-0490

Veja Também

OLHANDO NA DIREÇÃO CERTA

“Olhando para Jesus, Autor e Consumador da fé…” Hebreus 12:2 Não existe nada mais expressivo ...