Home / Pr. Manoel Antônio / “Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu Sou o Senhor”.

“Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu Sou o Senhor”.

“Assim diz o Senhor:
Não se glorie o sábio na sua sabedoria,
nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas;
mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer
e saber que eu Sou o Senhor”.
Jr. 9:2

O texto bíblico de nossa meditação de hoje apresenta três elementos que se tornaram a razão de viver de uma sociedade alienada dos valores éticos, morais e espirituais, a saber: a sabedoria, a força e a riqueza. Sem sombra de dúvidas tais elementos representam para o homem moderno: o domínio e a soberania da ciência (sabedoria), o fascínio pelo poder e capacidade de manipular os outros (força), e a sede insaciável pela aquisição e consumo de bens (riquezas). De fato, estas coisas em si mesmas não são essencialmente erradas. Toda a sabedoria e conhecimento legítimos procedem de Deus. A força, o poder e a autoridade tem sua origem no Ser divino. E a riqueza, como resultado dos esforços pessoais, e quando adquiridas honestamente, não representa mal algum. Porém, estas coisas, quando buscadas como se fossem o alvo supremo de nossa existência podem corromper o coração, destruir a reputação e alienar o homem de Deus. Nesta breve meditação procuro provocar uma crítica construtiva à maneira como alguns tem lidado com o conhecimento divino, ao mesmo tempo que procuro, resumidamente, apontar algumas características do verdadeiro conhecimento de Deus.

Primeiramente quero destacar dois tipos de conhecimentos equivocados e superficialmente evidenciados:

CONHECIMENTO SUPERFICIAL
Este é um tipo de conhecimento encontrado no meio dos que fazem parte da multidão dos seguidores do Senhor. São pessoas que vivem a vida cristã à distância, semelhantes àquelas multidões que seguiam a Cristo meramente por interesse em algum milagre. Elas podem até conhecer um ou outro aspecto do Senhor, como o poder de Deus para uma área específica de sua vida. No entanto, este conhecimento é limitado e interesseiro. É um conhecimento que não aproxima a pessoa de Cristo. Como muitos na multidão que viam ao Senhor de longe, é assim que algumas pessoas conhecem ao Senhor. As pessoas que conhecem ao Senhor à distância tem aversão a estudos bíblicos, leem a bíblia por conveniência, em busca de textos que atendam às suas expectativas do momento, geralmente uma palavra de ânimo. Frequentam a igreja em busca de campanhas para solucionarem seus problemas pessoais. São pessoas que nunca se comprometeram com o discipulado cristão. Vivem à margem do Cristianismo bíblico. São aquelas que seguem ao Senhor à procura do pão e do milagre (Jo. 6:26).

CONHECIMENTO MERAMENTE ACADÊMICO
Este é outro tipo de conhecimento de Deus muito encontrado em nossos dias. É adotado por pessoas que olham para o Senhor como se Deus fosse um cadáver que precisa ser minuciosamente dissecado e explicado dentro das concepções científicas, teológicas e filosóficas, ou mesmo, de outra ciência qualquer. Para estas pessoas não há interesse em relacionar-se com Deus. Sua busca não visa uma transformação de vida, não produz confissão pessoal nem tampouco arrependimento de pecados. É uma busca para enquadrar Deus dentro de conceitos humanos, como se nossa mente limitada fosse capaz de reduzir o Senhor à pequenez de nossa compreensão. É uma busca apenas para discutir Deus, onde a Sua Pessoa não é reverenciada, apenas debatida, e Sua Palavra não é pregada, apenas criticada. Há muitos seminaristas em nossas igrejas (e teólogos em congressos que se alastram pelo país) que estão fazendo deste tipo de conhecimento a razão maior de “seu chamado”: explicar a Deus e explicar o Seu agir. Cabe aqui a lembrança do apóstolo Paulo, que diante do Deus inescrutável e insondável demonstrou seu assombro e sua incapacidade para entender os mistérios profundos do Ser Divino: “Oh, profundidade das riquezas, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus!… Quem, pois, conheceu a mente do Senhor?” (Rm. 11.33-34).

Neste ponto convém salientar que não há nada de errado em buscar um aprofundamento no conhecimento de Deus. Contudo, salientamos que o verdadeiro conhecimento de Deus se origina no temor a Ele (O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência – Pv. 9:10); segundo, todo conhecimento de Deus provém da revelação encontrada em Sua Palavra; e, devemos ainda ter a humildade para entendermos e aceitarmos a verdade de que o Ser de Deus vai além da compreensão da razão humana. A. W. Tozer, em seu livro ‘O Conhecimento de Deus’ faz uma distinção entre conhecer a Deus e conhecer acerca de Deus.

Em nossa próxima reflexão apresentarei algumas características do conhecimento de Deus conforme a bíblia nos apresenta. Caso queira ler o estudo na íntegra, acesse os sites abaixo listados.

Que seu dia seja abençoado pelo Senhor! Que você seja uma bênção!

Pr. Manoel Antonio
Pastor da Segunda Igreja Congregacional de Campina Grande-PB
Wattsapp 83 98700-0490

Veja Também

VOCÊ TEM SAPINHO NA BOCA?

Assim também a língua é um pequeno membro, mas pode gloriar-se de grandes coisas. Considerai ...