Home / Pr. Gomes Silva / Jesus, O Único Caminho!

Jesus, O Único Caminho!

Pr. Gomes Silva 

Este é um período cujo foco principal é o “Menino Jesus”. Sai ano e entra ano e Ele continua sendo a “criança” mais destacada do Mundo, especialmente aqui no Brasil, mais por razões bem diferentes. Nascido de uma virgem, conforme profetizou Isaías (7:14) cerca de 700 anos a.C, Jesus veio com uma missão: Salvar o povo de seus pecados (Mateus 1:21b). Como O Verbo encarnado, Cristo veio como Luz para os homens (João 1:5), porém os seus não o receberam dignamente (João 1:11); calou-se diante da humilhação de seus algozes para cumprir a missão recebida do Pai e confirmada pelo Espírito Santo (Isaías 61:1).

A vida de Jesus Cristo continuará sendo contada e decantada por décadas. Ou melhor, até que tenhamos novos céus e novas terras (Apocalipse 21:1). Livros e mais livros, poemas, histórias de quadrinhos, séries e minisséries serão escritos a seu respeito. Porém, não faltará uma interrogação quanto à finalidade da sua encarnação e cujas dúvidas poderão ser dissipadas tão-somente mediante a leitura e o estudo da própria Escritura Sagrada.

Nessa linha de raciocínio, o nascimento de Jesus foi anunciado por Isaías e ratificado pelo anjo do Senhor ao aparecer em sonho a José (Mateus 1:20b), dizendo: “José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, pois o que nela foi gerado é do Espírito Santo” (Bíblia Século 21). O apóstolo João explica esse nascimento, focando a encarnação: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito existiria. A vida estava nele e era a luz dos homens” (João 1:1-4). Jesus é o verbo encarnado, que desceu do céu.

[Esta forma de identificar Jesus como o Verbo é encontrada no evangelho segundo João, cap. 1,1.10.14; e na Primeira Carta de João cap.1,1. Foi a teologia que a comunidade joanina desenvolveu depois de muita reflexão sobre Jesus de Nazaré, o Filho de Deus. Este texto é escrito pelos anos 90 a 100 EC (da Era Comum ou depois de Cristo), ou seja, no final do primeiro século de nossa era cristã.

João é o único evangelista que identifica Jesus diretamente ligado e originado a Deus desde o início de tudo: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”(Jo 1,1). Onde no grego -> o lógos – a Palavra é designada como o Verbo de Deus.

O VERBO é palavra que faz acontecer, é ação, como na criação onde segundo Gn 1,3 é a Palavra de Deus, o VERBO, que tudo cria: “Disse Deus: Haja luz; e houve luz”. Por isso Jesus está presente desde o princípio de tudo.

Jesus é o VERBO, esta é sua identidade. O VERBO de Deus, significa que Jesus é a Palavra de Deus, que toma a forma da carne humana e revela plenamente a face de Deus (confira em Jo 14,9 = onde Jesus declara: “que quem o vê, também vê o Pai”)].

A vontade e a comunicação de Deus acontece agora por meio de Jesus de Nazaré, o Seu Filho amado, a Palavra plena de amor do Pai. Ele é o Verbo, a Palavra de Deus plena que vem ao mundo. Não foi por acaso que o apóstolo Paulo, ao escrever sobre Jesus aos colossenses, tenha afirmado:

“Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito sobre toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam poderes; tudo foi criado por ele e para ele. Ele existe antes de todas as coisas, e nele tudo subsiste; ele também é a cabeça do corpo, que é a igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha o primeiro lugar” – Colossenses 1:15-18.

A vinda de Jesus ao mundo já fazia parte do plano de Deus desde o princípio de tudo. A Ele foi dada a missão de resgatar o pecador, o desvalido. E como isto aconteceria? Na Cruz, foi humilhado e vilipendiado pelo mesmo povo para o qual Ele veio como luz e Salvador, e este não o recebeu. O Cristo missionário morreu de forma trágica, humanamente falando, mas sem abrir a boca em momento algum para reclamar, pois esse ato fazia parte do plano redentor de Deus para a salvação daqueles que viessem a crer no sacrifício da cruz. Isaías descreveu centenas de anos antes como seria aquele momento:

Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha parecer nem formosura: e, olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos.

Era desprezado, e o mais indigno entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos: e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.

Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si: e nós o reputámos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.

Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades: o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

Todos nós andámos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho: mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.

Ele foi oprimido, mas não abriu a sua boca: como um cordeiro foi levado ao matadouro, e, como a ovelha muda, perante os seus tosquiadores, ele não abriu a sua boca (Isaías 53:2-7).

O sofrimento de Jesus, O Cristo (chicoteado, carregando a cruz, traspassado por pregos de cerca de 24 centímetros de comprimento nas mãos e nos pés e espinhos de 12 centímetros em forma de coroa em seu couro cabeludo), foi muito grande. E Ele suportou tudo aquilo para pagar o preço do pecado da humanidade sem cometer um pecado sequer nem praticado nenhum ato de injustiça. Todavia, a dor se foi quando, humildemente, falou Jesus: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, dizendo isto, expirou” (Lucas 23:46). Naquele momento, o mundo viu que Cristo era o Filho de Deus:

E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras;

E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, foram ressuscitados;

E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos (Mateus 27:51-53).

Mas, para se cumprir a Palavra de Deus, três dias depois Jesus ressuscitou em carne: “Olhai as minhas mãos e os meus pés, pois sou eu mesmo. Apalpai-me e vede; porque um espírito não tem carne nem osso, como percebeis que eu tenho”, disse Jesus aos seus discípulos (Lucas 24:39).

A ressurreição de Jesus é um testemunho da ressurreição de seres humanos, que é uma doutrina básica da fé Cristã. Ao contrário de outras religiões, o Cristianismo possui um fundador que transcende a morte e promete que os Seus seguidores farão o mesmo.

A Ressurreição é a vitória triunfante e gloriosa para todo o crente em Jesus Cristo, pois Ele morreu, foi enterrado e ressuscitou no terceiro dia de acordo com as Escrituras. Ela garante que aqueles que acreditam em Cristo não vão permanecer mortos, mas serão ressuscitados à vida eterna. E não tem outra via de acesso à vida eterna no céu a não ser Jesus Cristo mediante arrependimento e perdão de pecados. Lucas, ao escrever os Atos dos apóstolos, disse: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que os vossos pecados sejam apagados” (Atos 3:19). “E não há salvação em nenhum outro, pois debaixo do céu não há outro nome entre os homens pelo qual sejamos salvos” (Atos 4:12). E o próprio Jesus afirmou:

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai a não ser por mim” – João 14:6. 

Então comece a repensar a sua vida, hoje, sem Cristo. Talvez tenhas entrado na onda mundana e na ótica comercial e feito como muitos fizeram nesse período de lembrança do “Menino Jesus”. Mas, que, em momento algum, você deixou Jesus nascer verdadeiramente na sua vida.

Pare e pense: “Você realmente tem uma vida com Cristo que lhe assegure o ´passaporte´ para a vida eterna”? Se não o tem, busque-o no Senhor, pois Ele é o Único Caminho para os arrependidos de pecados e redimidos pelo sangue de Jesus.

Deus te conceda vida nova!

Fonte: […] do Artigo “O que quer dizer “ele é o verbo, o verbo estava com ele desde do princípio“? publicado pelo site: www.abiblia.org

Veja Também

JESUS E A COMPAIXÃO DE UM MUNDO PERDIDO

Mateus 9:35-38 INTRODUÇÃO  Jesus Cristo era um missionário exemplar para o povo de Deus para ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.